Você sabe o que é hormônio antimülleriano? Conheça o seu papel para as técnicas de reprodução assistida

Um dos motivos que levam casais a procurar ajuda médica na hora de engravidar é a baixa reserva ovariana, que corresponde à diminuição da quantidade de óvulos disponíveis no corpo da mulher para a fecundação. A medicina vem desenvolvendo diversos métodos que auxiliam na análise dessa reserva, e o hormônio antimülleriano (HAM) é um deles, muito utilizado atualmente.

Também chamado de Substância Inibidora Mülleriana (MIS), esse hormônio é produzido pelas células do ovário e desempenha função importante na fisiologia ovariana, regulando o crescimento e desenvolvimento dos folículos (foliculogênese) durante a vida reprodutiva. Sua presença no corpo da mulher se inicia com o nascimento e o acompanha até a menopausa.

ebook

Exame de sangue para análise da presença do hormônio antimülleriano

A análise é realizada através de exame de sangue simples e a dosagem do hormônio antimülleriano, que pode variar de < 0,16 ng/ml (baixa resposta) a > 4,0 ng/ml (alta resposta), é proporcional à reserva ovariana: quanto menor a sua taxa, mais baixa também será a quantidade e a qualidade dos óvulos disponíveis para serem fecundados, e vice-versa.

Importância do exame

O HAM é um dos exames que oferece a estimativa mais aproximada da quantidade de óvulos que uma mulher pode produzir, já que ainda não é possível saber o número exato.

E, diferentemente de outros tipos de teste, a vantagem é que ele pode ser realizado em qualquer etapa do ciclo menstrual sem sofrer variações e, inclusive, mesmo com o uso de anticoncepcionais.

Além de um importante marcador da reserva ovariana, o hormônio antimülleriano (HAM) também auxilia pacientes com síndrome dos ovários policísticos (SOP), doença que interfere no ciclo normal de ovulação.

A indicação de realizar o exame deve ser sempre individualizada, e o exame deve ser solicitado pelo médico da paciente.

Qual a relação do hormônio antimülleriano com a reprodução assistida?

Como já foi explicado, a quantidade de óvulos que uma mulher possui interfere diretamente nas chances de uma gravidez. Avaliar a reserva ovariana é uma das etapas fundamentais para quem deseja recorrer às técnicas de reprodução assistida e, para isto,o  hormônioantimülleriano (HAM) é hoje um dos exames mais eficazes. Confira os valores de referência aproximados:

  • AMH > 4,0 ng/ml: resposta muito alta (maior chance de gravidez);
  • AMH entre 2,0 e 4,0 ng/ml: resposta alta;
  • AMH entre 1,0 e 2,0 ng/ml: resposta média;
  • AMH entre 0,16 e 1,0 ng/ml: resposta baixa;
  • AMH < 0,16 ng/ml: resposta muito baixa (menor chance de gravidez – indica que a menopausa já ocorreu ou está para acontecer).

 

Essa avaliação é utilizada no cálculo da dosagem das medicações necessárias para a estimulação ovariana, processo em que há uma indução da ovulação da mulher com o objetivo de aumentar as chances de gravidez. Esse procedimento é realizado tanto na inseminação artificial (IA), técnica na qual o sêmen é depositado dentro da cavidade uterina, quanto na fertilização in vitro (FIV), em que a fertilização acontece no laboratório, fora do corpo da mulher.

Hormônio antimülleriano e Congelamento de Óvulos

O HAM serve, também, para as mulheres que desejam congelar os seus óvulos para uso futuro (criopreservação), principalmente aquelas que já se encontram acima dos 30 anos. A idade é fator fundamental para a fertilidade feminina, já que a reserva ovariana vai diminuindo com a idade.

Para se ter uma ideia, se na primeira menstruação a mulher conta com aproximadamente 500 mil óvulos, aos 25 anos esse nível cai para 25 mil, podendo chegar a praticamente zero aos 50 anos. Com o passar do tempo, os óvulos também vão ficando mais velhos, o que influencia na qualidade deles.

Mas, é importante ter em mente que outros fatores interferem nesse processo e determinam de forma diferenciada em cada corpo. A ajuda e o acompanhamento médico são sempre fundamentais.

É possível fazer o exame pelo SUS?

O exame ainda não é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e atualmente não é coberto pelos convênios particulares.

Nesse post, apresentamos a você as principais informações sobre o hormônio antimülleriano (HAM) e a sua importância para as técnicas de reprodução assistida, que auxiliam homens e mulheres a realizarem o sonho da paternidade e da maternidade. Se você ainda tiver alguma dúvida, fique à vontade para nos enviar a sua pergunta ou opinião.

Quer saber mais?

E se você deseja verificar como está a sua reserva ovariana, agende uma consulta com os nossos médicos.

A Pró-Criar é uma clínica especializada em medicina reprodutiva e conta com uma equipe interdisiciplinar preparada para atender as necessidades e demandas de cada paciente. Nossa missão é possibilitar a gravidez, de forma acolhedora, através da excelência do conhecimento, para o bem estar do ser humano.

 

Agendar Consulta

    Equipe Médica Revisora do Texto

    Dr. Ricardo Marinho, Dra. Hérica Mendonça, Dra. Leci Amorim, Dr. Fábio Peixoto, Dra. Luciana Calazans e Dr. Leonardo.

    Deixe um comentário

    Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"