Entenda como funciona a fertilização in vitro

 

Hoje em dia, muitas mulheres preferem investir em suas carreiras e aproveitar os primeiros anos de independência do que ter filhos e constituir uma família desde cedo. No entanto, engravidar mais tarde, com idade mais avançada, pode não ser tão fácil. É claro que a idade das mulheres não é a única causa de problemas na fecundação, porém, esse é um dos motivos que alavancou a procura por métodos de reprodução alternativos.

A fertilização in vitro é uma das principais técnicas que permitem que as mulheres tenham liberdade para ter filhos no momento mais oportuno de suas vidas. Quer conhecer um pouco mais sobre ela? Então acompanhe-nos!

O que é a fertilização in vitro?

Conhecida também como bebê de proveta, essa técnica consiste em uma coleta de gametas masculinos e femininos para que a fecundação aconteça dentro de um laboratório, em um ambiente controlado e, apenas depois, seja transferido para o útero da mãe.

O método foi testado pela primeira vez em 1978, na Inglaterra, e a primeira experiência no Brasil foi realizada em 1983.

Quem pode procurar esse tratamento?

A técnica é indicada para qualquer casal que tenha dificuldade na chegada dos espermatozoides até o óvulo feminino, o que pode ser causado por diversos motivos além do avanço da idade materna, como problemas de produção do esperma pelo homem, obstrução tubária e quadros de endometriose na mulher.

A fertilização in vitro também pode ser procurada por mulheres que tenham problemas na produção de óvulos e, por isso, optam por receber um fornecido por uma doadora, para que seja fecundado com um gameta masculino e gerado em seu próprio útero.

Casais homossexuais também podem optar pela técnica. No caso de casais do sexo masculino, é necessário encontrar uma mulher que se voluntarie para receber o embrião fecundado em seu útero, além dos óvulos doados.

Para que a mulher possa receber os gametas fecundados em laboratório, ela deve seguir uma lista de orientações e cuidados sobre a sua própria saúde, como:

  • Ter uma alimentação equilibrada;
  • Não fumar;
  • Diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas;
  • Ingerir suplementos de ácido fólico

Como ela é realizada?

A técnica de coleta é bem simples. O homem deve fornecer uma quantidade de seu próprio esperma, colhido no laboratório por ele mesmo, ou então através de uma pequena punção nos testículos quando não há presença de gametas no sêmen.

Já a mulher passa por uma indução de ovulação feita por medicamentos para que seja possível realizar a coleta dos gametas femininos.

Depois disso, é feita uma seleção dos espermatozoides masculinos para serem colocados em uma placa de Petri em conjunto com um óvulo feminino. São selecionados, aproximadamente, 200 mil gametas masculinos para tentar fecundar um único óvulo, em um processo idêntico ao que ocorre dentro do organismo humano.

Depois de fecundado, o embrião é posicionado dentro do útero da mulher em um processo semelhante ao realizado no exame de papanicolau. Após 14 dias, é realizado um exame que verifica o sucesso do método, atestando a gravidez.

Qual o tempo para fecundação e índice de sucesso?

O processo de coleta dos gametas, fecundação, implantação no útero da mulher e exame final para detectar o sucesso da técnica aplicada pode durar em torno de 25 dias.

O índice de sucesso é relacionado com a idade da mulher doadora do óvulo, já que eles podem ter maior dificuldade de fecundação quando a idade é avançada:

  • Para mulheres com menos de 35 anos, as chances de sucesso podem chegar a 60%.
  • Em mulheres de 35 a 38 anos, as chances são de 40%.
  • Para mulheres entre 40 e 42 anos, as chances variam de 20% a 25%.

Existem riscos e contraindicações nesta técnica?

A fertilização in vitro pode aumentar um pouco o risco da mulher desenvolver um quadro gestacional chamado de gravidez ectópica, que é perigosa para a saúde da mãe e do embrião. Para evitar esse quadro, o óvulo fecundado é colocado bem próximo ao fundo do útero, diminuindo a chance de desenvolver esse tipo de problema.

Existe também um risco maior de desenvolver uma gravidez de gêmeos, trigêmeos ou até quadrigêmeos, pois, normalmente, é feita a transferência de mais de um embrião a fim de aumentar as chances sucesso na implantação. A gestação desse tipo também é considerada de risco para a saúde da mãe e dos fetos, já que, geralmente, resulta em parto prematuro.

Qual o médico responsável por realizar a fertilização in vitro?

A fertilização in vitro é um método que deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar que conta com ginecologista, embriologista e urologista para poder abordar todas as áreas que envolvem problemas de fecundação em homens e mulheres.

É importante, ainda, que a equipe médica seja de sua confiança para que todo o processo de fertilização in vitro se realize de maneira tranquila e sem maiores complicações.

Você conhece casais que conseguiram engravidar por meio dessa técnica? Tem mais alguma dúvida sobre este assunto? Conte para a gente nos comentários!